Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

 

 

Ela veio com suas calças de ginástica, fixou o banquinho, certificou-se de que não estava bambo, subiu e começou a espanar as prateleiras mais altas. Voavam memórias empoeiradas dos outrora sorrisos felizes, e ela apenas espanava com simplicidade. Achou grandes pilhas de cartas de amor e fotografias enamoradas. Juntou tudo nos braços, desceu cuidadosamente do banco e pôs tudo aquilo numa grande caixa. Foi a vez de seguir pelas paredes com a flanela cheia de água, apagando cada rabisco, cada declaração, cada pedaço de história que teimava em ficar ali. Ela parou, havia muito trabalho ainda por fazer, mas estava funcionando bem. Abriu as gavetas, desenterrou os presentes mofados que estavam lá dentro, colocou-os dentro da caixa grande. Varreu todo o chão, retirando dele as crostas pretas da mágoa, do rancor, da raiva, da decepção e do desgosto. Saiu uma enorme poeira preta. Enorme,negra,disforme,sufocante..Ela espirrou, fez um muxoxo, jogou tudo no lixo. Olhou em volta, estava tudo quase certo. Algumas rachaduras, alguns cantos perdidos mesmo, jamais seriam recuperados...Havia um pouco de bolor e de cacos de vidro espalhados. Mas, estava bem melhor do que antes. E no centro do cômodo havia ainda a grande caixa com as tralhas restantes. Ela sentou-se com as pernas esticadas, respirou fundo, tomou coragem e foi pegando as coisas, as fotos, as cartas, os presentes...Olhava, chorava, rasgava. Olhava, sorria, rasgava. Olhava, balançava a cabeça num misto de dó e saudade ,rasgava Quarenta minutos depois, o que foi amor era lixo. E o cômodo que estava sujo, estava outro. Precisava de pintura, de papel de parede, até de uma reforma quem sabe...mas já não era um lugar esquecido e abandonado.

Mas as coisas acontecem com o tempo, e ela sabia que não se podia querer tudo de vez quando se tratava de uma faxina no coração.

Pegou o saco de lixo e sorriu tranqüila. Teve fé que arranjaria um futuro inquilino compreensivo, que saberia driblar seus medos, suas angústias, suas inseguranças com cuidado, paciência e carinho.

Deu uma última olhada e carregando a caixa do passado e o saco de lixo, fechou a porta do cômodo e foi embora. Era livre, de novo.


música "O amor é como o sol, sabe como renascer.." - Natiruts!

publicado por Juliana Correia às 17:44 | link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds