Terça-feira, 16 de Setembro de 2008

 Quando eu tinha quinze anos, eu não beijava meu namorado depois que ele bebia cerveja - achava o sabor da cerveja na boca dele péssimo, e achava que o não-beber-cerveja tinha que ser um reflexo do (bom) caráter dele.

Quando eu cresci mais um pouco, achava péssimo quem fumava e um pouco julgava também o caráter da pessoa pelo comportamento dela com relação aquilo que eu (olhe quanta presunção, né) achava ruim.

Hoje em dia eu ainda tenho algumas ressalvas, obviamente (fico mais feliz se o cara estudar do que se for vagabundo, se ele tiver um objetivo do que se for sem perspectiva, se ele gostar de cultura do que se preferir modinha, etcts eternos)... Mas hoje, assistindo o maravilhoso (assistam!) filme chamado "Colcha de retalhos", me dei conta do quanto crescer e amadurecer é abrir mão desses pré-conceitos que vão incutindo na gente (na escola, nos valores morais SOCIAIS, na novela das oito da globo...)

Aí vem esse filme lindo-sensível-delicado, que tem como pano de fundo uma colcha que um grupo de senhorinhas está costurando e essa colcha tem um tema: "Aonde mora o amor". No decorrer do  tempo que elas levam para costurar essa colcha, vão revisitando suas histórias de vida e (re)significando-as.

 

Falando do que interessa, o filme poderia se chamar 'Mulheres que correm com desejos...' e sabe o que é mais lírico? Não há clichê nos seus desejos, há medo, há escolha, há prisão e liberdade, dúvida e certeza, arrependimento, felicidade, dor, luto, traição (muita traição: de si mesmo e dos outros - e nem sempre por desamor...)

E é impressionante a (pouca) quantidade de palavras que precisa ser dita para que o desejo flua - com delicadeza, com singeleza, com amor [ por si, pelo outro, pelo entendimento de que aquele momento pode ser único/último ] - para que os encontros aconteçam, para que o que elas julgam precisar aconteça, para que a vida aconteça...

E mais uma vez vem a questão: viver o desejo que se tem ou postergar para o tempo de certeza? seguir o corpo, a carne, o coração, o desejo ou escutar as vozes da tranquilidade e da estabilidade? colocar em jogo algumas coisas para desfrutar o prazer de um momento ou perder o momento tentando proteger o restante? Quem sabe responder isso?

Ninguém sabe. E por não saber é que cada um se projeta nos caminhos da vida como pode, como consegue, com as armas que tem e cada um paga o preço que é cobrado: a amargura do marido que foi embora, o rancor da irmã que foi traída, o dessabor de um casamento que machuca, a ausência de quem se ama, os caminhos tortuosos da maternidade e do amadurecimento mas leva-se também a certeza de se ter vivido os desejos, de ter estado com quem se queria estar quando se quis estar, de ter experimentado o sabor que não se queria deixar passar...

 

E fica em mim a certeza de estar sempre me revisitando e revisando meus valores: Devo ouvir minha cabeça racional ou a minha pele? É impossível desejar duas pessoas ao mesmo tempo? Seremos mais felizes nos impondo a monogâmia por amor - ou seremos mais doloridos quando descobrirmos a poligamia de quem amamos?

 

Acho que crescer é perguntar, e ter certeza de que a resposta não existe.

Acho que costurar do jeito certo é saber contextualizar os retalhos - pois, afinal, todos são essenciais para a colcha.

 

E aonde mora o amor?

Eu ainda não sei!

 



publicado por Juliana Correia às 23:36 | link do post | favorito

De Luis a 21 de Setembro de 2008 às 01:47
fui eu, fui eu..


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds