Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008

A água do chuveiro cai em profusão - como caem os desejos, como caem as máscaras e as realidades antes não pensadas, como caem as pessoas, os sonhos, as esperanças e até as notas no boletim cada dia mais vermelho.

A água do chuveiro lava o meu cabelo - e eu queria que lavasse a minha alma, o meu âmago, o meu lado cruel, o meu lado medroso, o meu lado infiel e incoerente e que lavasse mais profundamente ainda o lado coerente, o lado que faz sentido e o lado que se importa com o que aparenta.

A água vem gelada, me fazendo recuar um pouco - assim como as suas palavras ásperas naquela tarde me fizeram recuar de coisas que eu acreditava, que eu tinha certeza, que eu queria investir.. me fizeram recuar de abrir a boca: abrir a boca e engolir o mundo todo, esse meu medo de viver, essa minha cabeça sempre ditando os caminhos certos e racionais e eu sempre ouvindo, abrir a boca e deixar a libido falar, o tesão gritar, os desejos se soltarem, os sentimentos se eternizarem... fecho a boca quando essa água gelada cai, assim como fechei a boca de tudo que eu podia dizer, quando você disse 'aquilo' de um jeito mais gelado do que a água e eu tive que sair correndo com mais pavor do que eu corri agora, no banho.

Eu fecho a torneira e a água para de cair e eu penso em como é injusto não poder fechar a minha cabeça e o meu coração. Não poder para com essa confluência, com esse descarregamento de pensamentos que buscam direção, sentido, porque, motivo, ações futuras e presentes sobre os acontecidos passados... Fechar esse coração que convulsiona, que quer ignorar o óbvio, que quer viver um pouco [só pra variar], que quer ir se divertir, que quer irrigar sangue por todos os caminhos, que quer viver de sangue, em poças de sangue.. porque o sangue correndo é ou não é a maior metáfora da vida? Ele saindo e se espalhando, e voltando pra ser trocado, e correndo de novo e voltando...

 

Deixo a toalha pra lá. Esse sangue todo não há quem enxugue.

Me consolo de saber que eu, pelo menos, deixei a água cair...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"E por isso eu tomo chá, pra ver se aquieto meu
peito que já nasceu com potencial de explodir
sozinho, ainda mais quando tem gente querendo apertar o botão."  -> Tati Bernardi

 

"Se na bagunça do teu coração, meu sangue errou de veia e se perdeu..." -> Chico Buarque.



publicado por Juliana Correia às 01:16 | link do post | favorito

De jv a 12 de Setembro de 2008 às 14:20
li e reli, q texto belíssimo. a associação com o chuveiro realmente criou uma imagem na minha mente...


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds