Segunda-feira, 2 de Abril de 2007

Eu tenho insights de consciência. Fico pensando sobre determinado assunto por um longe período, olhando de todos os lados, culminando todas as possiblidades, até que, do nada, eu tenho um "momento plim" e simplesmente entendo daonde provém a minha dor,o meu medo, o jeito como eu me sinto perante determinada situação.  Posso estar passeando de carro quando de repente me ocorre "é isso, isso e isso". Acho que são as consequências diretas da terapia.

Eu escrevo contos sobre perspectivas femininas porque? Dois simples motivos. Eu gosto de saber sobre o que escrever, e eu sei como uma mulher se sente, ou pelo menos como eu me sentiria. Eu conheço os valores, os sentimentos, as verdades das personagens sobre as quais eu escrevo. Mas, acima de tudo, eu ACREDITO nelas. E eu não acredito em homens. (meninos, lancem as pedras, mas esse é o segundo motivo).Não acredito em menino apaixonado, em menino que diz que ama e que vai amar pra sempre, em menino que sofre, em menino que chora, em menino que se ilude. Não adianta, meninos não me comovem. Eu não acredito que homens tem sentimentos. Num desses insights eu me dei conta disso. E me dou conta todos os dias de como é díficil conviver com isso, porque vai além da perspectiva de um conto. Vira o jeito como eu olho o mundo, vira uma generalização que me tira a fé. Para que comelar, se vai terminar? Para que acreditar, achar fofo, se é tudo mentira absurda, descarada, insosa, só para ferir?

Vamos que vamos, essa terapia semanal tem que destraumatizar, façam rodas de oração por mim, porque só assim os contos daqui vão variar!

 


música O vento - Los Hermanos

publicado por Juliana Correia às 00:57 | link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds