Sexta-feira, 27 de Junho de 2008

É válido ressaltar que no amor (verdadeiro) existe a brecha para o erro - de que maneira? Sim, todos tem o direito de escorregar, de dar mancada, sem que isso extingua o sentimento por parte do outro, pois amor sobre amor se constrói e com amor se compreende. Nem tampouco se desvia pelo caminho oposto - pois o amado que errou, faz de tudo para acertar e não aproveita-se do perdão do outro para fazer do erro um caminho de sempre, sabendo-se perdoado.

 

 

Quando se diz que tudo é efêmero e líquido hoje em dia, trata-se também da perda disto, da perda da possibilidade de se ser humano e portanto, falível - pois todo sinal de erro se mira como convite para que o outro parta para a próxima.

 

Gosto da esperança do perdão por amor - e não por desamor próprio.



publicado por Juliana Correia às 00:53 | link do post | favorito

De Mila a 3 de Julho de 2008 às 19:10
Você é sempre incrível, mas andou esquecendo do meu blog né? Quando der, dê uma passada por lá. Beijão querida.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds