Sexta-feira, 27 de Julho de 2007

Caro amor encerrado,                                               data/ local

 

Seria muita insensibilidade da minha parte ir embora assim, sem lhe dizer algumas palavras de despedida, sem explicações ou agradecimentos, sem mesuras ou sem a mínima cerimônia. Não vou mentir: é um alívio encerrar você, te colocar para fora, extirpar tudo - menos a experiência, que é o peso que é inerente a carregar, que é o explicíto que se faz visto em todo gesto, em toda palavra, que é o que ficou mesmo até de quem não ficou - tudo que veio de você.

Não sou injusta, portanto admito e agradeço até, os momentos bonitos, os momentos felizes e os aprendizados que você trocou comigo, sejam por que você quis me ensinar ou, veja bem, porque você no seu imenso egoísmo me machucou de maneira que eu aprendi a me defender. Querendo ou não, você me transformou - mas não se dê ao direito de ficar presunçoso por isso, no fim das contas foi mais pela dor do que pelo amor em si. Foi mais sem querer, do que querendo. Mas isso já não importa, não é?

Quero que você saiba que sim, me arrependo de muitas coisas, tenho vergonha de tantas outras e que se fosse possível, faria tudo diferente - não por você, mas por mim. Aliás, aprendi com você a pensar em mim primeiro. Essa carta não é para te machucar. Machucar alguém é coisa de quem se aliena, de quem não conhece o poder verdadeiro da palavra amor, que não tem noção do humanismo da condição de existir. Não te quero mal - porque eu não desejaria esse tipo de coisas - mas que você merece sofrer, merece. Para entender que isso não se faz. Ninguém pode extirpar a esperança de uma vida.

No fim das contas, esse é o 'um beijo, tchau' da gente. Aqui, você já não acha abrigo, já não se faz mais lar, você se fez esquecido. Não sinta-se importante por eu te escrever. Escrever é o que eu faço com tudo. Sinta apenas que eu respeito o que eu vivi, e você fez parte disso. Daqui em diante, sigo sem você, e apostando que será melhor.

 

Assinatura do remetente

 

 


música Gilberto Gil - Drão.

publicado por Juliana Correia às 15:22 | link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds