Segunda-feira, 16 de Julho de 2007

Ana não acreditou. Não tinha acreditado antes e não acreditava agora. Ela tinha dado risada quando as amigas levantaram a suspeita de que ele tivesse outra. Nem sequer tinha considerado quando seu irmão,Felipe, a deu o mesmo aviso. Achava todos uns loucos que não compreediam seu amor. E foi assim, meio ao acaso, que ela, no meio de seu passeio pelo cinema do museu, um lugar que ela nunca ia, deu de cara com Carlos e uma moça loira. Ana não acreditou. Assim, no meio de tudo e de todos? Assim, correndo o risco de ser visto, de perdê-la? Ela assistiu, toda encolhida, ao beijo que seu namorado deu na loira. Se virou na pilastra, enconlheu-se de forma que ele não a visse e chorou. Ela sabia que a partir dali, ela teria que fazer alguma coisa - talvez até alguma coisa que ela não quisesse - apesar de tudo.

 

_________________________________________________________________________

 

 

Enquanto isso, Ernesto tinha uma missão difícil. Ele ia terminar seu namoro com Larissa. Alguns podem dizer que para o homem isso não é nada e/ou que se você não tem vocação para Jesus Cristo isso não vai partir seu coração. O caso é que Ernesto gostava de Larissa. Da sua essência, do seu cheiro, da sua pele e principalmente de quando ela sorria. O caso é que desistir dela, fazia bem e mal a ele na mesma proporção. A questão crucial era: como olhar naqueles olhos (que tantas outras vezes ele havia olhado para jurar amor eterno, para enxugar uma lágrima de emoção, para se enxergar dentro de alguém, para confirmar a sua própria felicidade de possuí-la compartilhando a vida com ele) e dizer que chegou o fim? Como ver aquela boca, que outrora lhe aconselhou, que sempre lhe sorriu, que lhe beijou de mil desconcertantes maneiras, que lhe mordeu nos seus pontos fracos, se revirar sem expressão? Terminar com quem a gente gosta nunca é fácil  e ainda assim- injustiça -as vezes é necessário.



publicado por Juliana Correia às 12:30 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Mila a 16 de Julho de 2007 às 23:22
Ambas as histórias são lindas. Afinal, vindo de dona Ju, já sabemos que será de uma maneira tão 'belamente' escrita que fica difícil tecer qualquer comentário a respeito. Beijos


De lari a 18 de Julho de 2007 às 04:13
afinal eu tenho q chegar no seu blog, ler textos cheios de sentimento e sentir aquela profunda admiração da minha amiga de novo, de novo e de novo.

saudades - te amooo
beijo


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds