Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Sentada numa  mesa em uma cafeteria confortável e meiga, acompanhada de sua melhor amiga, Rita bebericava um chocolate quente com chantily e ouvia Alice, sua amiga escritora, contar as coisas da vida.

"Ah Ritinha, eu estou tão cansada sabe? Parece que o mundo se perdeu, entrou pelo ralo num redeimoinho indissóluvel sabe? Não é só lágrima e soluço. É a maldição da tristeza. As pessoas definham, engordam, explodem e tudo por conta dos sentimentos ocultos, da alma. E você acha que alguém vê? Que alguém se importa o mínimo que seja? Cada dia que passa a gente encontra menos almas para compartilhar os segredos da nossa, me entende? Eu, que escrevo para as mulheres solitárias, recebo sempre várias cartas contando lamúrias, é muito mais terrível...quando você não tem em quem acreditar. Estou sendo prolixa querida? Você sabe como eu sou quando falo dessas coisas..começo em um assunto e quando vejo, já fui parar em outro..e aí, de repente me vejo.."

Alice continuava falando. Mas Rita já não estava atenta. Ela pensava sobre quanto tempo ela passava na ioga, meditando, esvaziando a mente em busca de paz interior e contrapunha isso ao que a amiga falava incansavelmente: O ensaio da humanidade é o ensaio do egoísmo.( e a sua propria busca unicamente pela sua paz, era uma prova disso! E a paz alheia?)

 As pessoas, quase todas, juravam coisas aleatórias, entupindo a todos de mentiras. Das mais infantis com coisas banais, do tipo "vou estar lá" e estar em outro lugar, até as mais profundas. Mas para ela, por experiência própria havia uma mentira imperdóavel:  A mentira dos sentimentos. Aquela que era a prova maior de um ensaio sobre o egoísmo! Seja lá quem for, que diz que te ama e vai ficar para sempre, um amigo, um namorado, um padrasto, um avô, um vizinho..deveria pensar muito antes de quebrar este laço! Porque é como se  levasse um braço quando vai embora, deixando lá exposto a falta do que já foi, da fé, da confiança de que tudo pode dar certo. Porque, como já dizia uma outra amiga sua, os sentimentos são o que nos move - e se eles nos falham, nos movemos tortos pelo mundo, meio sem fé, meio inflados de infelicidade, meio babacas sem rumo.

Ela lia os livros da amiga, ela ouvia as histórias das estágiarias do trabalho, dos amigos da academia, de todos os lados. Era tanta falsidade, que gerava tanta ilusão...

Ela então bruscamente interrompeu Alice, que ficou pasma. Rita era sempre tão calada! Viva tão absorta em seus próprios pensamentos.

- Ai Lica, simplesmente, se a nossa bússola apontasse os caminhos...mas as pessoas são assim, imprevísiveis, medrosas e instáveis- e esquecem de admitir isso. O que hoje nos convém, amanhã pode apenas lembrar o que queremos esquecer, o que hoje para nós é tudo, amanhã pode querer e cair melhor apenas na memória. Não acho justo o mundo das mentiras. Por isso não faço promessas eternas, e não acredito em quem as faz. Não acho just fazer quem te fez feliz, infeliz, num misto de vingança e safadeza. Mas você sabe, sou budista. E acredito nas oito leis...existe, inclusive, uma monja muito interessante, a monja Cohen, que propõe que estar desiludido é bom, porque significa que quebramos a ilusão e estamos livres do mundo imaginário que habitávamos. Em chinês, o mesmo símbolo de crise representa também a oportunidade. Será que não pode ser uma questão de ótica? Vamos brindar, aos que sabem enxergar sempre o caminho do meio, que sabem que prometer o que não vai se cumprir e buscam não machucar ninguém com seus tropeços? Mesmo que sejam raros, tem de ser comemorados! E vamos comemorar também aos amigos, que acolhem, ouvem, ouvem de novo e sentem o nosso queimor no fogo deles. Sem eles, já não haveríamos mais. Já teríamos desistido. De tudo. Pelos outros, que tentam nos fazer "meio-sonho" despejados a toa..sem sentido!  Vamos?

 

E brindaram.

 



publicado por Juliana Correia às 16:54 | link do post | comentar | favorito

7 comentários:
De Paulinha a 18 de Abril de 2007 às 17:41
é ju...

=}


De Lara a 18 de Abril de 2007 às 22:22
sabe? você seria uma perfeita psicóloga mas, melhor ainda jornalista.
vamos brindar...

ps: mais frases copiadas que vão para meu mural, com crédito, é claro!


De natay a 19 de Abril de 2007 às 15:54
Amiga a sua genialidade me espanta !!!! ( de uma forma completamente positiva .)
Parabensssss pelos seus textos ....são perfeitos e retratam os acontecimentos do nosso cotidiano de uma forma UNICA!!!!
TE ADOROOOOO ....
bjusss no coração.


De Mila a 19 de Abril de 2007 às 21:07
Juuuuuuuu
Para variar,suas histórias muito bem contadas!
Brindemos,brindemos sempre as pequenas coisas da vida,elas fazem a diferença ;)

Beijos

(DE HOJE NOSSO POEMA NÃO PASSA)


De Leo a 19 de Abril de 2007 às 23:49
Excelente texto! Gostei muito mesmo! Nem sei o que comentar sobre ele, mas adorei lê-lo, tudo que você aprendeu e expressou no texto foi muito bem escrito e faz refletir de uma maneira bem legal sobre essas "coisas da vida". Continue escrevendo e me avisando quando atualizar , hein?
Beijãããão


De Vinicius a 22 de Abril de 2007 às 01:25
achei interessante o dualismo, se é que posso chamar assim. Enquanto você tem uma pessoa, Alice, uma escritora que se preocupa com o Mundo, se preocupam com as coisas da vida mesmo, se tem outra, Rita, que parece se preocupar apenas consigo. Ressalto tambem, muito bem colocado por voce, como tais pessoas nao se interessam muito quando se tem outra falando dessas coisas. Parece que ela quer apenas fugir dali e deixar a outra falando sozinha, com os seus pensamentos guardados para si.

em relaçao a parte que você diz: "diz eu te amo pra sempre e vai embora". Eu acredito que esse "eu te amo pra sempre" é forma de dizer mais ou menos assim, enquanto eu estiver aqui, enquanto eu estiver vivo, irei te amar. Claro que isso nao acontece com frequencia, no caso com namorados(as) é meio dificil existir esse amo, apesar de eu mesmo defender tal ideia. Porqie você sabe que eu defendo, basta encontrar a pessoa certa.

E no final, uma coisa bem interessante tambem. A amiga que todos poderiam achar que nao estava nem ai pra essas coisas da vida, acaba se revelando. Quem não lê o texto todo pode acabar acreditando nisso. Mas ela mostra que tem uma opinião formada acerca do assuinto tanto quanto a sua amiga Alice. E aquela historia de dualismo, acho que nem é essa mesmo a palavra!

Muito bom o texto, acho até que escrevi demais. Foi mal. Beijo =*


De Vinicius a 22 de Abril de 2007 às 01:27
achei interessante o dualismo, se é que posso chamar assim. Enquanto você tem uma pessoa, Alice, uma escritora que se preocupa com o Mundo, se preocupam com as coisas da vida mesmo, se tem outra, Rita, que parece se preocupar apenas consigo. Ressalto tambem, muito bem colocado por voce, como tais pessoas nao se interessam muito quando se tem outra falando dessas coisas. Parece que ela quer apenas fugir dali e deixar a outra falando sozinha, com os seus pensamentos guardados para si.

em relaçao a parte que você diz: "diz eu te amo pra sempre e vai embora". Eu acredito que esse "eu te amo pra sempre" é forma de dizer mais ou menos assim, enquanto eu estiver aqui, enquanto eu estiver vivo, irei te amar. Claro que isso nao acontece com frequencia, no caso com namorados(as) é meio dificil existir esse amo, apesar de eu mesmo defender tal ideia. Porqie você sabe que eu defendo, basta encontrar a pessoa certa.

E no final, uma coisa bem interessante tambem. A amiga que todos poderiam achar que nao estava nem ai pra essas coisas da vida, acaba se revelando. Quem não lê o texto todo pode acabar acreditando nisso. Mas ela mostra que tem uma opinião formada acerca do assuinto tanto quanto a sua amiga Alice. E aquela historia de dualismo, acho que nem é essa mesmo a palavra!

Muito bom o texto, acho até que escrevi demais. Foi mal. Beijo =*


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds