Terça-feira, 26 de Maio de 2009

Chega a ser engraçado até, mas quando a gente está vivendo e se interessando pelas coisas acaba não se dando conta do ataque que é o cansaço se impregnando em nós.  Eu sempre me sinto cansada - de algo, de mim, de todos. E muitas vezes me contento em saber do meu cansaço e não agir de acordo com ele. Mas chega, inevitavelmente, uma hora em que a questão se coloca. Numa vida que é a dois, quando um não quer andar e você não quer ficar parado, só te resta andar sozinho. Sentir a brisa. Olhar as folhas no chão. E saborear a culpa do cão de ter assumido o seu desejo e fazer o que você queria fazer, e só se comprometer com você. Tem uma hora que você fica muito cansado de tanto imaginar coisas e se fechar com seus pensamentos, mas quando você resolve sair pro mundo.. tudo que você vê te desagrada, nada que você vê te consola ou te encoraja. Não sei vocês, mas eu sou do tipo que faz da coragem combustível. Até se desenvolve dentro do motor, mas se não vier de fora, não ferve dentro e o carro não anda. Não sei dar outro jeito. Tô cansada de me sentir a babaca que estende a mão e oferece, oferece, oferece - coisas que, ora você recusa, ora você aceita. Quase nunca reconhece. Quase nunca se preocupa em pra variar, oferecer você e me permitir receber. Eu deixo faltar. Eu vou deixar faltar; acredite. Já cheguei num ponto de disposição que conversar me cansa e me irrita, e quando algo que eu amo me faz mal é porque é tempo de apelação. E tempo de apelação vai além da instauração da falta, ela vira eminência. Pra não me faltar em mim, preciso me faltar pra você.  Dessa vez eu não quero me desculpar por isso. Eu tô cansada de me desculpar, de me explicar, de me policiar. Eu quero ganhar em troca, desculpe. Sou tão egoísta quanto qualquer ser humano. E não quero sentir muito por isso. Eu quero sentir muito e sem freio, mas isso são outros quinhentos. Se eu falo, pareço pedindo que você fala algo. Se eu não falo, fico no escuro sozinha com esses pensamentos, e concluo sozinha o que fazer com ele.

Eu tô cansada de não saber, também.


música Chico Buarque - Não sonho mais

publicado por Juliana Correia às 15:33 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds