Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

   "Eu não te amo mais". Som de porta batendo. Som de sapato roçando o piso de madeira. A luz do corredor apagando. Barulho de elevador. O resto só barulhos e luzes da minha imaginação. Podia ver sinais de trânsito: verdes, amarelos, vermelhos. Carros cortando a cidade, correndo em alguma direção, pra cumprir algum horário, por qualquer motivo que lhes bastasse, qualquer que fosse. Eu continuava tão imóvel naquele sofá, os olhos muito fechados, numa tentativa de colá-los para que não precisassem abrir pois eu tinha medo de abri-los e chorar a minha alma pra fora, e depois ver o dia clarear lá fora e a minha alma toda se evaporando, perdida para sempre, entre aquele céu azul que não parecia entender nada de dor, mas que ia enxugar a dor molhada da minha alma, parada, parada, parada porque eu também tinha medo de me mecher e quebrar, como aqueles vasos que quando rompem em alguma parte da cerâmica, simultaneamente se vêem por completo abertos, sendo a primeira rachadura apenas a gota inicial para que o rio coresse inteiro, abrindo todos os cantos, todos os poros, escancarando a porcelana inteira de baixa-qualidade, toda esfacelada. Eu estava fraca.

     Fazia força pra esquecer as suas palavras. Pensava nos carros atravessando o sinal verde, certos de sua liberação para seguir em frente, confiantes da ausência de entraves na sua rota, apressados ou felizes por estarem indo pra algum lugar (tão aleatório) fazer algo tão superfluo, agradecidos por terem seu tempo ocupado e não precisarem se debruçar sobre a dor do corte, sobre as ondas da represa derrubando a parede e invadindo tudo, tudo, tudo...

     Vomitei. Tussi. Levantei a cabeça para vomitar com mais dignidade. Olhei para o chão e para o sofá melados e tive vontade de xingar. Puta que pariu. Caralho. Me senti tão humana. Me senti tão diluída e porosa. Me dei conta de que não havia como contornar - de alguma forma, qualquer que fosse, aquilo tudo que me compunha por dentro iria sair. Respirei fundo. Alguma coisa prática na minha cabeça (e amarga na minha boca) me mandava levantar, me lavar, pegar um pano e organizar a bagunça. Um lado de mim gargalhava enlouquecido: e que água vai tirar este gosto amargo? e me diga, que pano úmido é capaz de consertar esta bagunça, de extirpar este odor infindável de morte? que figura de linguagem, que palavra, que solução existe para esta metáfora que é o meu vômito inexpressivo aí? Um outro lado tentava ser razóavel e não conseguia: "ódio, ok. mas preciso ser útil, ajeitar isso, vai ficar azedo.. azedo? não, amarga. ah, não eu. o sofá! ódio? eu pensei ódio? isso não é ódio, se fosse ódio os cacos não seriam de mim, seriam dos objetos...o que é isso? o que eu faço com isso? o que eu faço comigo? e com o sofá?"

       Me ergui, nem sei como. Respirei fundo. Caminhei lentamente até o banheiro, lavei minha boca e meu rosto de qualquer jeito, evitando o espelho, evitando a moldura dourada e vitoriana que jamais serviria para emoldurar o craquelê que era eu. Pensei em tomar um whisky, mas resisti. Eu simplesmente não sabia o que fazer comigo ou de mim. Não estava nem cheia e nem vazia. Entrei no box e me sentei embaixo do chuveiro - e nada. Abracei meus joelhos e pensei em quando eu era criança...Abracei os joelhos e solucei. Silêncio entrecortado pelos meus soluços que me traziam para a realidade, cada vez mais altos, cada vez mais desesperados. Quando me dei conta, o dia já amanhecia.

      Levantei de novo. Tirei a blusa de tricô vermelha, puxei a calça jeans de qualquer jeito, tentando me equilibrar. Liguei o chuveiro, organizei-o para que ficasse o mais gelado possível, o cheiro azedo do meu vômito ia invadindo a casa no lugar do cheiro doce do teu perfume e o cheiro amargo do meu coração esvaziando veneno nas minhas veias também se fez mais forte. Soltei os cabelos e me sentei embaixo daquela água. Tremi da cabeça aos pés quando a água encontrou a minha pele, as entranhas se sacudiam enjoadas e os olhos começaram a falar, pingavam gotas, gotas enormes, que o ralo engolia, que me sorviam a pele, ora gotas da água encanada, ora gotas das lágrimas desenganadas - o piso estava molhado, meu corpo estava molhado, meus olhos molhavam tudo, meu coração era água, em mim não havia sangue, só água, fluída, transparente, insossa, água. Chorei. Chorei. Chorei muito. Chorei tudo. Chorei demais. Eu me sentia mais humana do que nunca, mais digna da minha fragilidade do que nunca. Eu não precisava mais de nenhuma roupa, porque eu não precisava mais de nenhuma armadura ou de nenhum vestido de princesa, e só aí eu abri a boca e repeti as palavras que você havia me dito: "eu não te amo mais". Nos meus olhos brotavam lágrimas ainda maiores e ainda mais salgadas, que me ardiam tanto mais, mas a minha boca também agora chorava repetindo: "pois eu ainda te amo muito. muito".

     No fundo, a gente sempre sabe quando não é mais amada. Vai sentindo aquela mão vindo menos ao nosso encontro, as ligações cessando, as rimas se imcompletando, a ausência de risadas, as brigas pelo nada. Vai faltando o tato com as coisas do outro, o contato com a emoção, todos os sinais que todo mundo sabe vão se fazendo evidências inegáveis diante dos olhos... e aí nós fechamos os olhos. Para não ver o que não queremos. E continuamos usando vestido, meia-calça, batom. E continuamos escolhendo o som, colocando velas na mesa, servindo a sobremesa, sendo a cereja. E prosseguimos pagando as contas, fazendo os planos e falando ao telefone. E aí, quando a bomba nos cai no colo, não sabemos o que fazer. Pensamos que não pode ser, que até ontem estava tudo bem, como assim isso agora, neném? E os passos correm, as malas se fazem, ruma-se ao trem. E a gente fica tão humana que é quase como se estivessemos sendo vistas do avesso - olhem estas veias, este fígado, estes pulmões; são todos testemunhas de um amor que acabou, todos estandartes sem-vergonha desta eterna dor. Me sinto a pessoa mais desinteressante do mundo. Dói. É como se você tivesse contado um segredo ao mundo todo, e fosse este o som que ecoa no ar da cidade: ela não merece este amor, é uma fraude. E os rins, as artérias e a bexiga: ela não é tão interessante quanto os livros de filosofia que ela lê, não tem magia das cordas do violão que ela dedilha, não tem o lirismo da poesia que decora a parede do quarto, não tem tanta graça depois de um tempo, as piadas cansadas e as olheiras enormes não são charmosas a segunda vista e quando aquele cabelo se faz coque, tudo se faz perdido para sempre. Não há como amar esta mulher.

    E eu deixo a água do chuveiro correr pelo meu corpo junto com as minhas lágrimas, querendo apagar esta tatuagem, querendo não estar tão carimbada: "frágil!" dizem alguns carimbos, mas o pior e o mais bem espalhado e mais firmemente firmado diz: não há como amar esta mulher. E a sua assinatura. E eu pareço um quadro expressionista. Rachado. Torto. Assinado. Carimbado. Uma mistura de referências.

    O sol vai ficando bem forte lá fora. Eu me dou por vencida. Desligo o chuveiro. Me levanto. Enrolo a toalha de qualquer jeito sobre o meu corpo. Ouço o barulho da porta se abrindo, sei que é a faxineira. Escuto ela chamar meu nome, perguntar se está tudo bem, dizer que vai limpar a sala, se eu preciso de algum remédio. Eu vou até lá, faço qualquer gesto pra ela e me jogo na nossa cama de casal, de lençóis brancos e travesseiros macios. Eu não sou mais amada. Eu sei. Tudo em mim sabe. Eu não sou mais amada.

 

 

   Lá fora a chuva cai com força - aquela água que limpa a cidade. Aqui dentro, e pelos meus olhos, a chuva cai com força - todo o amor que tem que sair.


música Chico Buarque - Futuros Amantes

publicado por Juliana Correia às 21:29 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Clarissa a 13 de Dezembro de 2008 às 18:26
Eu nunca tinha entrado aqui. Mas mesmo que tivesse não acharia estranho ter saído sem comentar, porque é o que eu geralmente faço.
Só que não sei exatamente o porque. Não sei se é uma "crise existencial" ou algo do gênero que tá me fazendo rever alguns conceitos, assim como algumas atitudes. Começo as mudanças exatamente por esse comentário (eu acho).
Queria deixar registrado que gostei muito de alguns dos seus textos, você escreve muito bem. Aliás, acho que me identifiquei. Os seus pontos de vista parecem muito com os meus, assim como os gostos, a não ser pela visão política da qual eu discordo um pouquinho... mas isso é secundário e não tem importância, é uma questão de opinião.

Que você continue escrevendo ótimos textos,
Beijos.


De Etiene a 15 de Dezembro de 2008 às 23:03
O dom das palavras está presente em teu impeto.
A uniao dos teus caracteres é deslumbrante, emocionante.
Uma pitadinha, de coisas boases, um riso dengoso.

Parabéns!


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds