Domingo, 18 de Maio de 2008

Tenho me sentido indisposta com o mundo quase que irrestritamente o tempo todo. Talvez isso se dê porque no meu âmago tenho me sentido insatisfeita todo o tempo comigo mesma também. Não quero crer que meus maiores méritos do momento são notas dez em provas da faculdade. Não quero crer que duas sessões de terapia por semana não estão produzindo as mudanças interiores que eu exteriorizo com eloquência e lucidez dignas dos que querem ser melhores.Não consigo lidar que minha paciência vá se extinguindo como areia numa ampulheta numa velocidade inapropriada para a convivência - e por isso eu em tranco em casa, antes que eu cuspa na cara de alguém por algum motivo abjeto e nada concreto. Não quero crer que, invariavelmente, em frequência acima do tolerável eu me sinto sozinha.

 

Comecei isso da maneira mais fútil que há - tenho amigos do colégio, amigos da faculdade de jornalismo, amigos da faculdade de psiclogia, amigos da vida, amigos dos amigos e alguns primos da minha idade  mas ainda assim, vez por outra, em algum sábado que por milagre eu queria viver ao invés de pensar (pensar tem doído tanto, que abdico do cerébro se cessar meu pranto!) não achava ninguém que pudesse sair comigo para dançar ou para tomar uma tequila. Me senti sozinha diante de amigos que não tinham dinheiro para sair naquele dia, que já tinham outros compromissos, que queriam fazer algo mais light - me senti sozinha e incompreendida quando me deparei frente a frente com o diferente, com o que não sou eu. A culpa do ciclo é minha, claro. Eu me afasto para evitar a agressão gratuita da minha falta de tolerância com a existência banalizada (inclusive a minha - porque viver dentro da minha cabeça é banal DEMAIS) e me sinto sozinha. Quando tento me aproximar, os outros já se afastaram (porque eu os afastei) e eu volto a me sentir sozinha. Isso se agrava e não se encerra. Nem escrever eu consigo...e olha que meu escrever é temperado no desespero e requentado em angústia pura e sublimada - se não doer, não tem graça.

 

Mas hoje me senti ainda pior, mesmo tendo saído com o pessoal ontem mesmo. Estou vendendo meus rins para assistir Blindness, Ensaio sobre a cegueira. Leio as críticas, leio o blog do Meireles, cogito reler o livro... mas não acho com quem dividir todos os sentimentos que esse livro me desperta. Essa falta de companhia na alma dói muito mais do que falta de companhia dos fins de semana. Olho apalermada para um ou outro e narro o quanto eu espero que ele faça um filme claro e sujo ao mesmo tempo, o quanto espero que ele me dê a ânsia de vômito que o livro me deu, o quanto quero que ele "saramaguize" com crueza na tela...E as pessoas me olham como se eu falasse de algo de outro mundo. E vai ver que estou falando... não porque não estou discutindo o créu velocidade cinco ou o sei lá o quê que ande em voga no momento, mas simplesmente porque toda a curiosidade da trabsposição de subjetividades de um livro para uma tela não pode me locomover a lugar nenhum. Mas me locomove. Me move inevitavelmente a solidão de todos os livros que eu li. E de todas as subjetividades que eles ne fazem sentir. E do cansaço que eles me dão do que não se desdobra.

 

Me sinto um pouco personagem de Gabriel Garcia Marquez em Cem anos de Solidão. Comprei o livro em outra fase dessas de solidão esmagadora achando que leria uma saga de branco-vazio e questionamento filosófico existencial - me deparei foi com um livro cheio de personagens que se encontram, convivem, sentem, exasperam em contato com o mundo e com os outros mas em si são apenas sozinhos, são de fato os únicos que se acompanharão vagueando cegos pelo que não sabem e cegos também pelo que sabem. O que fazer? Demorei tanto tempo para entender que no meio de todos esses avança-volta dos personagens entre tantos personagens e anos eles eram sim sozinhos. Demoro tanto para entender que também sou.

 

Não sei o que me leva a escrever essas coisas sobre a minha solidão no lugar mais exposto que há - a internet - mas que diferença faz? Me sentir sozinha é ruim. Mas me achar a minha pior companhia - sendo a única possível - consegue ser ainda pior. Tudo bem. Eu fico aqui sozinha com meus livros do Gabriel. Fico sozinha no divã. Fico sozinha ouvindo los hermanos no carro enquanto dirijo na chuva. Ficarei sozinha na fila de estréia de Ensaio sobre a Cegueira. Arranjarei coragem para ir sozinha assistir o filme novo do Woody Allen.

 

Sobre a solidão e outros pormenores...Eu; sempre eu.


música Caetano Veloso - Nosso estranho amor

publicado por Juliana Correia às 14:33 | link do post | comentar | favorito

8 comentários:
De Arthur Pinto a 18 de Maio de 2008 às 15:59
Vamos passar uns dias em Lanzarote?


De Mila a 18 de Maio de 2008 às 22:56
"em algum sábado que por milagre eu queria viver ao invés de pensar (pensar tem doído tanto, que abdico do cerébro se cessar meu pranto!) não achava ninguém que pudesse sair comigo para dançar ou para tomar uma tequila." tudo que eu tenho sentido nos últimos tempos e tenho me afastado justamente por estar insatisfeita comigo mesma, sempre me falta algo e isso me irrita. espero que seja apenas mais uma das minhas fases...e que passe logo! afinal para uma libriana não há nada pior do que a solidão.


De Vinicius a 19 de Maio de 2008 às 00:14
"Ficarei sozinha na fila de estréia de Ensaio sobre a Cegueira. Arranjarei coragem para ir sozinha assistir o filme novo do Woody Allen."

E quem disse que você irá sozinha? Se depender de mim, você nunca se sentirá sozinha, porque eu estarei sempre perto de você, mesmo que eu nao esteja fisicamente perto, mas estarei querendo sempre cuidar de você, porque eu me preocupo e, acima de tudo, porque eu gosto muito de você e quero te ver bem, feliz, sem essas indagações filosóficas. Eu sei que fazem parte e me senti durante algumas semanas como você, mas estarei sempre aqui caso precise de alguma coisa. Sempre!


De Luis a 19 de Maio de 2008 às 17:16
a gente é tão desesperado nessa busca de se pertencer a alguém, de se sentir parte de um mundo que não é só seu, de, enfim, de compartilhar dos sentimentos com outro alguém.. sei bem como é.

-e não ligue pra exposição não, na verdade é a melhor maneira de vc encontrar seus semelhantes. :)


De Nina a 19 de Maio de 2008 às 23:40
Ju, eu te faço companhia enquanto vc toma tequila, porque eu não bebo -se beber eu tenho certeza que minha puta interior toma conta e ela é à la britney - assisto o novo filme de woody allen e se vc me emprestar o livro que te deu ânsia de vômito , eu descrevo o quê ele me causou. Às vezes, eu tento comentar sobre as múltiplas sensações que um livro ou um filme ou o que for me causa... Ninguém entende. Sinto-me e só e o remédio é: cada um sente de uma maneira diferente. Cada coisa toca num ponto diferente.
É a única resposta que acho. Não satisfatória, porque quero alguém com um ego como o meu...
Enfim, posso te dar um abraço?? Acho que corremos a possibilidade de um sentir igual.

*sinta-se abraçada*




De Lucas Moura a 24 de Maio de 2008 às 16:04
Qualquer palavra pensada minha não ajudará em nada. Mas vou escarrar algumas idéias minhas. O pensar incessantemente é uma benção, ao mesmo tempo que é uma praga. Do pensar surgem conclusões, que nos fazem ver o quanto existem significados banais e, ao redor dessas banalidades, vários seres humanos e suas manifestações ilógicas e irracionais. E dentre esses seres humanos, nós. Quando nos deparamos com essas situações, a vida quase que inegavelmente se torna banal em certo grau. E disso sai a nossa insatisfação. Do viver em torno de banalidades, e, ainda por cima, não encontrar ninguém ao menos disposto a compartilhar opiniões de banalidades que consideramos mais amenas (como o discutir um livro). Você é super inteligente, e sua forma de refletir me parece admirável. Pra mim seria um prazer ter o prazer de um dia poder discutir banalidades amenas da nossa vida. Fique a vontade.


De Paulo Fiaes a 11 de Junho de 2008 às 02:15
eu ia comentar aqui que achava que vc estava falando de mim nesse texto, e lendo os coments, vi que o problema é mais universal do que imaginamos, ok, unviersal talvez seja exagero, agora que estou escrevendo aqui, devem ter um monte de mulheres e homens se vendendo a procura da vida facil e de felicidades materiais, e sabe o que acho disso tudo? se há pessoas como eu, vc, vinicius, Milla e outras por ai, porque nos sentimos tão sozinhos? ou melhor, porque somos tão solitarios? porque na internet podemos falar do ensaio da cegueira, mas na frente de muitos desses nossos "amigos", a conversa é sobre quem tem mais, e quem é melhor? sabe, n lembro com quem conversei isso, mas há muitas pessoas boas por ai, pessoas que ainda tem valores, e que nos fazem acreditar nos nossos sonhos mais sublimes, mas elas, assim como nós, estão preferindo se esconder, porque quando se mostram, se machucam, e pior, por aquelas pessoas que elas confiavam.

acho q fugi do assunto do seu texto, rsrs, mas acho q o que falei complementa o que vc disse, tava meio sumido, seu texto resumi perfeitamente o que eu estava passando nesses ultimos tempos, mas espero poder me sentir em pra voltar a ler seus textos e conversar as vezes no MSn, se cuida, exclente texto. bjux!


De Laura a 11 de Junho de 2008 às 03:52
Esse filme do Gabriel é realmente extraordinário, eu chorei tanto enquanto li hehe e chorei ainda mais quando acabou. Me senti numa solidão insuportável quando o livro acabou, sei lá, acho que sempre quando termino um livro, me sinto abandonada e sempre me pergunto: e agora?

Se sentir sozinha é a coisa que mais acontece com todo mundo. Acontece tanto que eu até chego a me perguntar se não é esse o sentimento que, de um jeito ou de outro, acaba unindo todos os seres humanos. O de se sentir sozinho. Mas se todos se sentem assim, então é pq de algum modo isso nos liga e não nos deixa mais tão sós heheh

Espero que você aceite melhor isso que tá sentindo, pq talvez te acompanhe pra sempre hehe qnd me sinto assim, me lembro da Lispector, que foi, na minha opinião, a pessoa que melhor retratou essa angústia de saber que se está só e não poder fazer nd pra mudar isso.

Fique bem. Uma vez ou outra a gente acaba encontrando uma alma perdida como a gente, daih o amor, ou qualquer outra coisa, sempre acontece.

Um grande abraço.


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds