Terça-feira, 8 de Abril de 2008

Lendo Calligaris em seu maravilhoso livro “Cartas a um jovem terapeuta”, me deparei (até catatônica) com uma afirmação sugerida pela vivência do autor: “o quarto e último traço que gostaria de encontrar no futuro psicoterapeuta é uma boa dose de sofrimento psíquico”. Aos radicais peço calma – ele não quer dizer que num manicômio devemos ver os “loucos” e os “psicoterapeutas” estabelecendo o mesmo comportamento de modo que não nos seja possível estabelecer a distinção. Penso que ele quer dizer que todo profissional deve ter o conhecimento e a vivência do que estuda – e que ao se tratar do humano em sua subjetividade (ou consciência, comportamento, inconsciência, escolha, angústia podem ser tratados como objetivos?) é emergencial que o leque seja amplo. É preciso saber viver com a dor e saber explora-la, e escapa-la, e reencontra-la e vivência-la... “o futuro terapeuta, deve, ele mesmo, ser paciente durante um bom tempo”. E quem procura análise? Pessoas que tem coisas mal resolvidas. Dores que ainda soluçam. Ou engasgam.

Bom, pensando nas minhas dores, considerei especialmente que me orgulho muito de ter conseguido aprender a dirigir (eu sei que para muita gente é banal, mas pra mim foi uma batalha). E de até agora seguir dirigindo. Ainda morro de medo de estacionar e levar o carro de alguém. De cruzar a pista e não ver algum carro. De fazer qualquer barbeiragem – das banais as graves! Tive medo, fazia aula de auto escola chorando, fiz umas 30 horas extras além da auto-escola, consegui tirar a carteira de primeira, papai me deu o carro e eu sai pelas ruas – morrendo de medo, mas enfrentando. Bati num carro estacionando na Perini. Liguei pra papai aos prantos e disse que não queria mais dirigir. Tudo resolvido, tudo certo. A necessidade se fez eminente e lá estava eu dirigindo o carro de volta pra casa. Tempos depois, levando meus avós ao médico, bati o carro com toda a força no fundo de um ônibus. Sacolejei meus velhinhos, afundei o capô...o que fazer? Coloquei-os num táxi, esperei a SET chegar, fiz a ocorrência, respirei fundo e lá fui eu de volta pra casa. Só fui chorar e sofrer depois do carro já estar estacionado na garagem. Foi traumático, foi difícil, deu uma puta vontade de desistir. Mas as vantagens de continuar eram maiores – ainda que o medo de dirigir exista, é melhor ir de carro do que ter que pegar dois ônibus, é melhor poder ir e voltar na hora que eu quiser, não ter que esperar ninguém poder me dar uma carona...e assim, considerando meu ganho, vou escondendo minha perda.

Considero que assim devo fazer com os amores. Já quebrei a cara pelo menos umas três vezes. Doeu. Deu perda total em alguns momentos, em algumas partes do coração. Foi muito choro no divã da psicanalista. Muito amargor ao ver a vida. Foi desilusão pura e simples – e traumática, e que trouxe consigo coisas que se grudaram por dentro como a gente gruda um imã na geladeira; ou seja, com naturalidade. Eu já quis desistir da paixão, do amor, dos relacionamentos – achava que não compensava nem os meus esforços, nem as vitórias dos meus medos, nem nada. Fiz paradas. E nessas paradas que fiz – com o carro e com o amor – aprendi que cabe sempre a mim decidir o que vale a pena e o que é perda, o que é ganho e o que é aprendizado. Aprendo mais na dor – inclusive para o futuro profissional (!) – mas nem por isso quero viver nela. Contudo, também não desejo um desfrute pleno e constante de felicidade – sobre o que eu escreveria? Como poderia entender e ajudar as pessoas que vem desabafar comigo? Talvez eu tenha me moldado das minhas pequenas dores sim. E talvez isso não seja ruim. Talvez tenha me feito associar que nesse Holismo que tem que ser (para mim) o viver, eu precise de tudo, conhecer tudo – para gostar, absorver e até mesmo para detestar e renegar.

 

De um modo ou de outro, meu carro não parou mais. Tampouco o coração.

 


música Zélia Duncan - Vi, não vivi

publicado por Juliana Correia às 17:27 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De lise a 8 de Abril de 2008 às 21:57
eu precisava ler bons textos e vim aqui... :]

se eu te disser que quando eu crescer eu quero escrever como vc, vc acredita? :]]

um beijo, minha lindona ♥


De Vinicius a 10 de Abril de 2008 às 01:47
Antes de comentar o texto, aplaudo de pé o final e as relações que você do carro com o seu coração. Afinal de contas, eu sei o que voce sentiu porque sempre conversamos sobre isso. Sempre te apoiei quanto a dirigir e continuarei apoiando. Bater o carro acontece, barberagem todo mundo faz, mas você nao pode se achar a pior motorista do mundo porque, acredite, poucos os motoristas dão sinal quando vao entrar pra esquerda ou direita e se mostram realmente preocupados no trânsito.

Passado esse momento, vou ao texto. Lembro que você discutia comigo sobre esse livro e isso me remeteu a um texto de Jorge Larrossa Bondía que li essa semana. "Notas sobre a experiência e o saber de experiência". Ele abre o texto com uma citação de Franz Kafka: "no combate entre você e o mundo, prefira o mundo". No texto, ele fala do poder das palavras, mas principalmente no quão representa a experiência vivida por uma pessoa. Afinal de contas, para construirmos as nossas idéias e os nossos conceitos precisamos, além do conhecimento, de experiência.

Uma pessoa que viaja, por exemplo, obviamente ela voltará da viagem com novas experiências vividas que servirão para o resto da sua vida. São experiencias estas algo que nos toca, que nos passa, que nos acontece. A informação, apesar de ser importante, não é considerada como experiência porque existe um limite muito forte para o que diz respeito à informação. É como um jornalista que se mantém sempre bem-informado sobre as noticias, sobre o que acontece do mundo, mas não existe nenhuma experiencia nisso.

E, agora, chego no ponto que eu queria. A experiência precisa ser vivida, precisa ser compartilhada. Por isso que a informação nao é considerada como tal. E, nesse aspecto, você tem razão. É preciso ver os amores perdidos, as desilusões para se adquirir experiência, para se ter experiência, porque ela é algo que nos acontece, que nos toca e precisa desses fatores para se tornar uma manifestação.

Obrigado por sempre causar uma boa discussão nos seus textos. Beijo enorme pra você.


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds