Domingo, 25 de Março de 2007

Nanda se olhava, ali, com a maquiagem toda borrada. As sandálias viradas de qualquer maneira no chão, o vestido lindo ajustado ao corpo, o cabelo secado durantes horas afim de parecer natural. Nada mais parecia encaixado. Tudo era fiapo, inclusive ela, que se arrastava na parede gelada procurando explicações. Para que tudo aquilo?De frente para o grande espelho na porta, ala já não sabia. Estava cansada. Cansada de suas falsas expectativas, de seus desejos irrealizaveis, das suas desilusões. Ela não entendia e pronto. Qual era o sentido de convida-la para ir ao baile - e ficar com outra? Porque os homens, ou pelo menos os homens que ela escolhia, faziam coisas que não pareciam ter lógica? Será que eles sabiam que desde que ela se entendia por gente, era ali, na frente daquele espelho, que ela chorava? Tirou o vestido. Para que ser a princesa, se os principes sempre preferem as mais fáceis? Encostou no chão e olhou bem para si. Não queria ter pena de si mesma e lembrou. Lembrou do seu primeiro amor, quatorze anos e sonhos. Ele foi embora para outro estado. Até hoje se falavam. Ela chorou muito abraçada ao seu urso na frente daquele espelho. Compreendendo que o amor correspondido nem sempre é a plenitude da manutenção - existem sempre os percalçõs do caminho. A cada fim de namoro ela se encerrava ali, de frente pro espelho, tentando encontrar, tentando enxergar nela os sinais, do último beijo, do último sorriso entre as lágrimas. Ela estava cansada de ver os meninos brincarem com seus sentimentos. Para que dizem "saudade" se não a sentem? Para que insinuam que gostam se tratam uma simples ligação fofa como uma algema de casamento? Ela não queria mais ficar se vendo daquele jeito no espelho, no seu espelho, no seu reflexo, dentro de si.  Levantou enérgica, ligou para as amigas, aquelas que sempre sabem o que dizer, que sempre tem os amigos mais legais e as maiores dicas de maquiagem. Se rearrumou, pegou com rapidez as sandalias e as calçou. Não pôde evitar o espelho.  Ele a acompanhou durante toda a sua trajetória de patinho feio, de inseguranças,medos e foras. Mas se olhando agora, ela se sentia viva, mulher e dona de si. Ela sabia o que queria - e o que não queria. (Nada mais de ser a outra, de ligações de última hora, de ser a segunda opção e de esperar mensagens que nunca chegavam). Ela olhou bem o reflexo, e pela primeira vez se enxergou inteira. Gostou do que viu. Se entendeu e se amou. Ela queria ser feliz - e seria. Pegou um cinzeiro e arremessou no espelho, quebrando-o em diversos pedacinhos com estrondo. Olhou os pedaços espalhados pelo quarto e se enxergou um pouco em cada um deles. Ali ela compreendeu tudo. Tudo fez sentido. Ela era a conjunção das suas experiências sim, e cada vidro no chão refletia isso, lembrava isso, mas, mais do que isso,ela era o que ela fazia com suas experiências. E ali, naquele momento,ela tinha escolhido ser feliz e deixar o passado para trás.  Era muito mais fácil encarar o espelho e a vida assim, em pedaços, do que aquela monstruosidade que parecia lhe engolir, que lhe mostrava detalhes que ela não precisava ver, de cara, na imensidão de relfexos assustados. Em um vidrinho, ela se viu sorrindo,e aquilo também era, afinal, parte dela.. Deixou todos os vidros lá, embaralhados pelo chão, formando o seu quebra cabeças pessoal. Fez um coque e saiu.

 

 

 

 

 

"Não sou aquilo que fizeram de mim

Sou aquilo que faço com o que fizeram de mim"

Sartre.



publicado por Juliana Correia às 04:52 | link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De Vinicius a 25 de Março de 2007 às 13:14
"Ela era a conjunção das suas experiências" By Ju

Voc^está proibida de dizer que os seus contos são feios. Ah, eu nao sei se tenho toda essa moral, mas a cada conto que passa o leitor percebe que você vai evoluindo, criando novas histórias. Adorei mais uma vez o conto e tomara que voce continue assim.

beijao ju =* adoro-te!


De Priscila Letieres a 25 de Março de 2007 às 20:30
sem os pedacinhos de virdo embebidos em lágrimas, como saberia que era melhor pegar os pedacinhos dela sorrindo?
esse lance do coque é minha cara (kkkkkkkkk)

ta LINDO ju!
(opiniao de uma Srª. Jornalista) heheheheh


De Mitchell a 25 de Março de 2007 às 23:08
(...) Fez um coque e saiu. Após alguns momentos de plumas ilusórias, retrocede ao seu quarto e,por conta de outra inexorável desilusão, debulha-se em conhecidas lágrimas.

PS: Entretanto, gostei do final que você arranjara.Não muito feliz, mas, certamente, mais saudável.



De Paulinha a 28 de Março de 2007 às 02:13
Genial -mais uma vez...
essa pinguim viu...
eu diria..me surpreendo a cada conto seu que leio... Mas engraçado, dessa vez eu já esperava alguma coisa genial de você... Mas eu me rendo sim..mesmo que pareça impossível você consegue superar expectativas!
que orgulho!
te amo sua pinguim achocolatada!
:*


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds