Terça-feira, 13 de Março de 2007

Todo mundo, sem exceção, quer ser amado. Não um amor qualquer. Aquele amor de shakespeare, amor carinhoso, que protege nas horas dificies, que transofma o "tédio em melodia", que dá beijos em público com direito a cara de apaixonado, que tem desejo interminável - em todos os desdobramentos do sentido, que admire, que respeite, que compreenda, que estimule, que surpreenda, que seja eternamente fofo. Mas quem quer se doar a isso? Pouquissímas são as pessoas que admitem que erram e tentam mudar, que conhecem a dignidade do perdão, que abririam mão de noites de farra, esbórnia, amigos e bebida por causa de um(a) namorado(a) doente, de um(a) namorado(a) triste, de um(a) namorado(a) carente, que dariam todo o amor sem esperar nada em troca, nem um obrigada, nem um beijo, nem uma declaração, fazer apenas pelo sorriso do outro.

Felizmente me parece que o amor romântico como era proposto ficou para trás. Chega, chega de promessas impossíveis, de sacrifícios forçados, de ideais corrompidos tentando ser o que não se é, mas o que o outro anseia. Todo mundo quer ser amado - mas todo mundo quer ser livre. Todo mundo quer colo nas horas de angústia, aquela certeza de ter quem ouça sem julgar, que entenda e apoie de graça - mas todo mundo quer um barzinho com os amigos, um futebol no domingo, um tempo cuca-fresca para colocar a PRÓPRIA vida no lugar. Amor não é servidão. Não é prisão. Por mais que se diga que não, é sempre escolha. A escolha de abrir mão de algo em razão de outra coisa que acredita-se valer mais.

Não adianta cobrar, remoer, repassar - ninguém quer ser surpreendido mas ninguém domina o sentimento de ninguém. Ninguém pode fazer isso, por mais que tente cercar de todos os lados. Certamente a felicidade seria maior se ao invés de com cobranças e paranóis, o tempo fosse ocupado entre silêncios cúmplices e presenças sensíveis.

Alguém vai propor que isso é fácil? Nunca. Existe a exigência de vontade de dar certo, de experiências passadas que trouxeram vivência, compreensão, mudança e tolerância - consigo, com o outro, com o mundo. Ninguém escapa da decepção, da dor, do sofrimento. A questão é: alguém quer escapar de viver, de sentir, de acreditar? A mesma cara que se dá ao tapa, pode ganhar, de supetão, um beijo. E a esperança segue sendo a última que morre. (Poruqe renasce, ressurge, bailando como as borboletas do estômago, com o brilhinho dos olhos..quando a gente menos espera! Mas isso já são outras histórias....)


música Do you ever really loved a womam? (vale a pena escutar...)

publicado por Juliana Correia às 20:23 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Amiga a 13 de Março de 2007 às 20:59
Amiiiiiiugaaaaan, já sei quem foi que mecheu com esse coraçãozinho geeelado ai viu???
sucessssso e sooooorte!


De lari a 13 de Março de 2007 às 22:31
então... quando o coração mandar, vamos dar chance de acontecer, e que a felicidade brilhe em nos nossos olhos!!

te adoro mto!


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds