Terça-feira, 21 de Agosto de 2007

Ser é o estar sendo. Essa incessável transformação que acontece independente da nossa permissão. (mas que é incrivelmente mais acelerada e produtiva quando permitimos!)

Ser é também ter sido e o que se fez o que se foi. Ser é estar buscando algo no mundo com. Como assim? É existir, em busca de algo que sacie a nossa essência, em contato com outras coisas e pessoas - que direta ou indiretamente também interferem no nosso processo.

Eu já escrevi muito em miguxês (basta dar uma olhada rápida nos meus blogs de quando tinha quinze anos..), mas hoje escrevo convencionalmente. Foi uma fase. Me ajudou a valorizar o português (quase) das gramáticas. Eu já fui grudenta, chatinha, possesiva, irritante e adjetivos não muito positivos em relacionamentos amorosos (dois pesos/ duas medidas!) mas com isso eu tomei tombos e quedas...e algo de proveitoso eu tirei, né? Já fui amarga de dar dó (como deviam me julgar tola - com razão!) e hoje já sei orientar melhor o meu radicalismo cético. Já chorei por tudo e por todos, já achei tudo crise, já deixei de querer encarar as coisas porque os outros achariam quê, já achei que alguém me achar boba era um mico - hoje tudo é risada, a minha lerdeza natural é charme (e não posso fazer nada por quem não achar!) e eu entendo os meus conflitos.

Ser é também saber que não se sabe. Não sei de amanhã, do que vai ser, do que pode vir a ser, nem ao menos tenho certeza de como eu gostaria que fosse! Mas sei que vou seguir assim, mudando de idéia, caindo, levantando, aprendendo, mudando, ouvindo, repensando e reconhecendo - a mim, ao mundo e aos outros.

Eu queria saber fazer um texto estilo "filtro solar" mas não me cabem conselhos (só se for para ouvi-los!). Aprendi pelas vias erradas que todos os caminhos nós fazemos e nos fazem - até os mais tortuosos trarão aprendizados - e serão os que mais trarão.

 

ps. música do título: Novos Bahianos! Futuquem!

 


música Rodrigo Amarante - Evaporar

publicado por Juliana Correia às 16:52 | link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De Mila a 21 de Agosto de 2007 às 19:28
adorei novamente. boa reflexão da pra fazer a partir desse texto. beijos Ju


De menina imaginária a 22 de Agosto de 2007 às 00:51
adoro cada textinho que escreves. cada texto leva-me a fazer uma reflexão.


De Amadan a 22 de Agosto de 2007 às 07:04
E o não-ser?
Se "somos" é porque alguma vez não "fomos". Não há "ser", sem o "não-ser".
Como tal o "não-ser" é parte nossa, integrante, inquestionável e talvez escondida pelo "ser".
É nesta dualidade de "ser" e "não-ser" que nascem os nossos complicadores.
Bom é quando os reconhecemos, melhor é quando os descomplicamos, excelente quando os esquecemos.
Só que ao invocar o "ser", o "não-ser" vem coladinho para ocupar um pouco da ribalta, pois não há um sem o outro.
"Kiskizito, né"?


De liris a 30 de Agosto de 2007 às 00:10
...Jogando meu corpo no mundo andando por todos os cantos e pela lei natural dos encontros eu vejo e recebo um tanto e passo aos olhos nus vou vestido de luneta passado, presente, participo sendo um mistério do planeta!

MISTÉRIO DO PLANETA (NOME DA MÚSICA)


Comentar post

mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

inferno astral

Descortinado

A arte do impossível.

Pouso.

Nanquim.

Brigitte Bardot

Sapatilhas.

Não é assim que a banda t...

Vulnerabilidade

História musicada auto-ex...

arquivos

Setembro 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
blogs SAPO
subscrever feeds